A (quase) esquecida cláusula de reserva de domínio e sua efetividade como garantia nas operações de compra e venda